08.08 Dia Nacional de Combate ao Colesterol

08.08 Dia Nacional de Combate ao Colesterol

Aproveite o Dia de Combate ao Colesterol para saber se o seu está alto. E quais os limites adequados de LDL e HDL para evitar infartos e derrames

LDL, o “colesterol ruim”

Em inglês, a sigla LDL vem de low density lipoprotein, ou lipoproteína de baixa densidade. E, a bem da verdade, essa molécula não é um colesterol.

O que ela faz é carregar as partículas de colesterol do fígado e de outros locais para as artérias. Ou seja, se anda em excesso na circulação, ela provoca um acúmulo nos vasos que pode, com o tempo, entupi-los ou formar trombos. Esse é o estopim para o infarto e o acidente vascular cerebral.

As taxas ideais de LDL variam de pessoa para pessoa, segundo a diretriz da Sociedade Brasileira de Cardiologia. Quem tem maior risco de sofrer um ataque cardíaco deve mirar níveis especialmente baixos dessa molécula. Mudanças no estilo de vida e remédios entram em cena para controlá-los.

HDL, o “colesterol bom”

Já o termo HDL vem de high density lipoprotein, ou lipoproteína de alta densidade, em português. E essa molécula tem uma ação contrária à do LDL.

Como um faxineiro, o HDL remove o colesterol das artérias e os leva de volta para o fígado, impedindo seu acúmulo. Daí porque é desejável mantê-lo em alta.

Hoje em dia, pede-se para as pessoas almejaram uma taxa acima de 40 mg/dl. Acontece que os estudos com drogas que elevam esses índices não mostraram grandes benefícios para o coração.

Assim, o que se preconiza hoje em dia é aumentar a concentração de HDL principalmente com atividade física.

Como é feito o exame:

É um procedimento parecido com o do hemograma. O profissional retira sangue com uma pequena agulha de uma veia, geralmente no braço do paciente. Depois, o material é avaliado no laboratório e os resultados são divididos em medidas como:
• Colesterol total
• HDL
• LDL
• VLDL

Os resultados

Recentemente, a Sociedade Brasileira de Cardiologia estreitou um pouco os limites considerados saudáveis. Os valores ideais agora dependem de cada um, de acordo com seu risco individual de desenvolver um infarto ou AVC, que deve ser estabelecido por um cardiologista.

Fechar Menu